Quanto mais cedo, melhor!

Atualizado: 9 de Dez de 2019

Em primeiro lugar, é importante pontuar que, mesmo que estudos científicos não tenham chegado a um consenso sobre qual exatamente é a melhor idade para iniciar o ensino de um outro idioma, os benefícios trazidos pela prática ao desenvolvimento cognitivo de bebês e crianças já são mais que certos. E ainda tem mais: quanto mais cedo, melhor.

Um estudo realizado há pouco tempo na Universidade da Colúmbia Britânica buscou verificar como os bebês percebem a linguagem e como essa percepção molda seu aprendizado, notando que quem tem a mãe bilíngue é capaz de registrar as diferenças entre os dois idiomas ao ouvir suas expressões.

Outra pesquisa, aplicada pela Universidade de Nova York, em Toronto, evidenciou que as crianças bilíngues desenvolvem habilidades que ultrapassam os vocabulários dobrados, incluindo o aprendizado de diferentes maneiras de solucionar problemas lógicos ou mesmo de lidar com tarefas múltiplas (parte da chamada função executiva do cérebro).

Basicamente, pode-se dizer que crianças bilíngues desde cedo mostram um desenvolvimento precoce da função executiva, tornando-se cognitivamente mais flexíveis que as monolíngues.

Viu só como o aprendizado do inglês já na educação infantil, com a abordagem correta e respeito às especificidades de cada criança, só traz benefícios? E a ciência desmistificou até o medo de muitos pais de que as crianças podem confundir as duas línguas. Muito pelo contrário, elas entendem bem em quais situações comunicativas devem utilizar cada idioma, sem atropelos.

Matéria retirada do site www.novosalunos.com.br