Quatro brincadeiras antigas para as crianças se movimentarem

É brincando que os pequenos trabalham o desenvolvimento emocional, social e cognitivo


Os benefícios das brincadeiras lúdicas são inesgotáveis e, infelizmente, as crianças têm cada vez menos tempo para elas. Em geral, são consumidas por agendas lotadas de atividades extracurriculares e pelo uso de aparelhos eletrônicos.

É brincando que os pequenos trabalham o desenvolvimento emocional, social e cognitivo.


Que tal aproveitar os dias de quarentena e resgatar junto aos seus filhos as distrações antigas que ajudam as crianças a aprenderem a se expressar, lidar com os sentimentos, resolver conflitos e respeitar regras e companheiros?


Segundos especialistas, os jogos criativos são meios naturais para elas libertarem os sentimentos, inclusive os descontentamentos. Servem como instrumento de estruturação do indivíduo e não trabalham apenas uma capacidade, mas várias, como percepção motora, equilíbrio e orientação espacial.


E na sua casa?


Jogos e brinquedos como a peteca, a amarelinha, a ciranda, a pipa, a cama de gato, o jogo de tabuleiro, pular corda, queimada, elástico, pique-pega, pique-bandeirinha e até corrida de saco auxiliam as crianças na descoberta de si e do mundo.

A brincadeira não é o objeto em si, mas um conjunto de estratégias e habilidades que possibilitam experiências que revelam o mundo e as desenvolvem para o futuro.

Deixo aqui algumas atividades, além das que foram citadas, para você brincar com o seu filho e ajudá-lo a desenvolver habilidades, muito além da obrigação de aprender as matérias da escola.

Elefante colorido

Escolha um participante para comandar a brincadeira. Ele deve ficar na frente dos demais colegas e dizer alto: “Elefante colorido!”. Os outros respondem: “Que cor?” Então, ele grita o nome de uma cor, que deve ser tocada pelos participantes o mais rápido possível, antes que sejam pegos pelo comandante. O primeiro a ser capturado vira o próximo a liderar a brincadeira.


Oficina de fantoches


Com rolos de papel higiênico, papel toalha cortado ao meio, ou ainda pacotes para pipoca, canetinhas, giz de cera, pedaços de lã, cola branca e enfeites à sua escolha, é possível criar fantoches divertidos com as crianças e, depois, montar até um teatro.


Eu sou eu, e você é você


Peça para que cada criança deite em cima de pedaços grandes de papel kraft. Desenhe a silhueta de cada uma delas e entregue de volta, para que elas possam completar com olhos, boca, nariz, roupas e o que mais acharem importante.

Batata quente


Os participantes se sentam em círculo e uma pessoa fica de fora. Eles vão passando uma bola bem rápido, de mão em mão, e o que está de fora, de costas para o grupo, grita “batata quente, quente, quente, queimou!”. Quem estiver com a bola quando o colega disser “queimou” é eliminado da brincadeira.


Aprender e se divertir

Durante as brincadeiras, as crianças desenvolvem múltiplas linguagens, organizam os pensamentos, descobrem regras, tomam decisões, compreendem limites e desenvolvem a socialização e a integração com o grupo.


O melhor de tudo é que, mais que uma grande diversão, todo esse aprendizado prepara as crianças para o futuro, quando terão de enfrentar desafios semelhantes às brincadeiras.


Matéria Retirada do site: www.metropoles.com